RaiaDrogasil com receita própria

RaiaDrogasil com receita própria



Rede de farmácias investe em ampliação do portfólio de produtos exclusivos para aumentar o fluxo de clientes e ressignificar suas lojas.

 

 Claudio Gatti

PRODUTO PARA CHAMAR DE MEU Marcílio Pousada, presidente da RD, afirma que o foco é oferecer mais opções para os consumidores. (Crédito: Claudio Gatti )

A RD, rede formada pela fusão das marcas Raia e Drogasil, entendeu que apenas vender medicamentos não seria suficiente para se manter no competitivo varejo brasileiro. Decidiu ampliar seu escopo para ser uma “companhia provedora de saúde integral”. Entre as mudanças, moveu as barreiras de suas lojas, criando o conceito que entende como Nova Farmácia, em que agrega mais serviços, ao mesmo tempo investe na digitalização. Esse conceito ajuda a atrair mais clientes e abre um leque de oportunidades para a rede que soma mais de 2,6 mil unidades. Ele também fortalece a oferta de produtos próprios, que hoje cresce em 50% em faturamento ao ano, ritmo mais acelerado que o da própria rede, que em 2021 registrou alta de 20% sobre 2020.

O negócio de marca própria começou no grupo em 2015 e hoje conta com seis linhas e mais de 800 SKUs (sigla para stock keeping unit, ou unidade de manutenção de estoque). Um dos principais atrativos desses itens está justamente nos preços, que no caso da RD são em média 20% mais baratos que os da indústria. Isso favorece a compra em massa, uma vantagem em tempos em que o poder de compra da população está mais reprimido. Para a diretora de Marcas Próprias da RD, Renata Mascarenhas, “um dos objetivos é democratizar o consumo”.


AO GOSTO DO CLIENTE Entre os itens de rótulo próprio, os de primeiros socorros são os com mais saída nas lojas da rede de farmácias. (Crédito:Daniel_Pinheiro)

 

Entre as principais categorias em que a RaiaDrogasil atua com suas marcas estão os primeiros socorros, como curativos e esparadrapos. Eles lideram em participação, respondendo a 27%. Depois vêm os equipamentos de saúde e artigos para a pele. Essa liderança é justificada pela própria característica dos produtos, menos atrelados ao apego por marcas líderes. De acordo com o professor coordenador do Centro de Excelência em Varejo da Fundação Getulio Vargas, Maurício Morgado, “nas categorias um pouco mais comoditizadas, para o varejo é uma maravilha ter uma marca própria, porque ele ganha muita força.” É o caso da categoria de protetor solar. Entre 2020 e 2021, o crescimento da linha de marca própria da RD foi de 70%, o que fez dela a mais vendida em toda a rede.


 

NATURAIS
A procura por produtos menos industrializados, alimentação mais saudável e tratamentos alternativos é uma tendência mundial. Seguindo essa onda, a RD tem como desafio reformular seus produtos cosméticos para retirar da lista de ingredientes componentes controversos da indústria, como parabenos e sulfatos. Além disso, em outubro lançou a Natz. A sexta marca da empresa possui uma comunicação toda voltada para o natural e oferece opções que vão de alimentos, como cranberry, a óleos essenciais.


Divulgação

“Temos potencial de expandir nossas categorias de atuação. Um dos objetivos é democratizar o consumo” Renata Mascarenhas Diretora de marcas próprias.
 

Com o diferencial de conseguir criar portfólio de acordo com o desejo de compra de seus consumidores, o investimento em produtos do tipo faz sentido dado os resultados recentes da empresa. Em 2021, o consumidor atraído pelo portfólio de bem estar representou 5% da base de clientes, mas foi responsável por 28% da receita. Com muito espaço para crescer, a aposta está em novos produtos e na diversificação. “Estamos empenhados em oferecer mais opções para os consumidores, cientes de que são eles que decidem o que querem consumir”, disse o presidente da RD, Marcílio Pousada.


Sem divulgar o faturamento das marcas próprias, mas apontando crescimento acima da empresa, Renata prevê que o bom desempenho se mantenha nos próximos anos, considerando o curto e médio prazo. “Temos potencial de expandir nossas categorias de atuação”, disse. Dado o desempenho geral da empresa, a estratégia tem funcionado. Apenas no terceiro trimestre de 2022, ela reportou um faturamento de R$ 7,9 bilhões, 22,3% a mais que mesmo período do ano anterior.

 

Fonte: Isto é Dinheiro
Imagem: Divulgação



 

Mantenedores do FGVcev